Entrevista com Haroldo Dutra Dias

image_pdfimage_print

Confira entrevista com Haroldo Dutra, tradutor de O Novo Testamento, o mais novo lançamento da Edicei, editora do Conselho Espírita Internacional.

Pensando e integralmente executado em língua portuguesa, o projeto se distingue pela riqueza de suas notas. Expressões idiomáticas, palavras enigmáticas, tradições religiosas, questões culturais e históricas, são abordadas de forma direta e sucinta, favorecendo o entendimento do texto.

O objetivo da obra é transportar o leitor ao cenário no qual Jesus viveu, agiu e ensinou, a fim de que escute suas palavras e seus ensinamentos como se fosse um morador daquela região.

Como surgiu o desejo de fazer esse projeto?

O projeto surgiu quando trabalhávamos com Honório Abreu e Marta Antunes, na apostila do EADE da FEB, intitulada Parábolas e Ensinos de Jesus. A dificuldade em encontrar uma tradução que pudesse ser indicada, sem grandes ressalvas, nos motivou a produzir um material isento e aberto a aprimoramentos. Uma espécie de obra aberta sujeita a críticas, sugestões, e aperfeiçoamentos contínuos.

Lidar com momentos tão remotos da história acaba por ser uma aventura, levando em conta que ao longo dos anos muito é  perdido ou até mesmo modificado, e isso se agrava ainda mais quando falamos de religião. Como foi o processo de compilação e análise para chegar ao resultado final do livro?

Na verdade a compilação do material já dura aproximadamente vinte anos. Ao longo deste tempo, formamos uma ampla biblioteca de pesquisa bíblica, incluindo o Novo Testamento e a Bíblica Hebraica, com cerca de 4.000 livros.

O acervo conta com livros especializados em diversos assuntos, tais como língua grega, hebraica e aramaica, manuscritos, arqueologia, crítica textual, teologia, comentários, mapas, tradição judaica (Talmud, Midraxe), entre outros. É um campo enorme de pesquisa que apenas se inicia com a publicação dessa tradução.

O mercado editorial conta com inúmeras publicações do novo testamento, disponibilizados ao grande público pelos mais variados prismas de entendimento. O que você diria ser o grande diferencial dessa nova tradução para aqueles que se interessam em estudar ou entender melhor o novo testamento?

O grande diferencial dessa tradução é o fato de adotar um ponto de vista literário. Os textos são traduzidos com rigor literário, ou seja, valorizando-se os aspectos linguísticos, culturais (costumes, tradições, literatura) do povo que viveu na Palestina ao tempo do Cristo.

Nesse sentido, ganha relevo as notas de pé de página, que pretendem desenvolver e explicar essas questões acima referidas, todas elas presentes no Texto do Novo Testamento.

Na introdução do livro você comenta em alguns pontos o caráter “areligioso”, por assim dizer, dessa nova tradução. Você poderia comentar um pouco mais esse aspecto da obra?

Exatamente por adotar um ponto de vista literário, essa tradução evita adentrar em aspectos teológicos ou dogmáticos, conquanto tenhamos enorme respeito a todas as religiões e teologias.

O objetivo é oferecer ao leitor um texto o mais isento possível, deixando a ele a liberdade de interpretação do conteúdo. Isso equivale a dizer que não impomos nosso ponto de vista espírita a ninguém. Sabemos que neutralidade absoluta é uma utopia, mas buscamos de forma sincera o máximo de isenção.

Você  também fala sobre o caráter que essa nova tradução tem de transportar o leitor ao cenário no qual Jesus viveu e pregou, o que isso representa de ganho na hora de sentar e ler essa nova edição?

Quando alguém assiste a um filme de época, é naturalmente transportado para o ambiente retratado na tela. De modo semelhante, ao ler essa tradução, o leitor é conduzido ao ambiente no qual Jesus viveu, habituando-se a pensar como um Galileu do primeiro século.Sem esse deslocamento, fica difícil entender certas passagens dos Evangelhos e torna-se praticamente impossível apreender o caráter geral do Novo Testamento.

Como salienta o espírito André Luiz “a rigor, a verdade não necessita de palavras para traduzi-la”, mas considerando que Jesus exemplificou e ensinou em determinada época, em um contexto cultural bem definido, é conveniente aprender algo a respeito, se quisermos penetrar na essência da sua mensagem de verdade e amor.

O que diria aos leitores que estão nesse momento com os seus exemplares em mãos, prestes a iniciar a leitura dessa nova tradução do novo testamento?

A leitura do Novo Testamento é uma experiência transformadora, quando feita com sinceridade e abertura de alma. Espero que essa tradução facilite esse processo de leitura, permitindo a todos o contato íntimo com a figura amorosa do Mestre Galileu.
Entrevista com Haroldo Dutra

Entrevista concedida a Bruno Maranhão, em 29/10/2010, publicado no site http://www.intercei.com/pt/boletim.html