Caridade

image_pdfimage_print

girafa1Um homem de 54 anos, chamado Mário e que está com um tumor no cérebro e não fala mais, conseguiu, há poucos dias, realizar um desejo que pode ser o seu último: visitar o zoológico de Roterdã para dar adeus aos animais que ajudou a cuidar por 25 anos.

A visita foi um presente antecipado por seu aniversário, comemorado agora em abril. Quem proporcionou a visita do ex-funcionário do zoo foi a instituição holandesa “Stichting Ambulance Wens”, dedicada a realizar os últimos desejos de doentes terminais.“Um momento que emocionou todas as pessoas presentes na visita foi quando uma das girafas se aproximou do ex-funcionário e o tocou com o focinho.”

Querer ver o outro bem mesmo em sua fase final da vida… Tudo isso é caridade, é amor ao próximo, é sentimento cristão. Religioso que se dedicou a socorrer os sofredores, Fabiano de Cristo (1676-1747) sabia como era importante o estender a mão, sobretudo aos que atravessam grandes dores.

Em mensagem de sua autoria, psicografada por Chico Xavier e incluída no livro “Falando à Terra” (ed. FEB), o benfeitor espiritual fala desse sentimento tão especial. A inspiradora mensagem é intitulada “Caridade”: “Sem a caridade, tudo, na Terra que povoamos, seria o caos do princípio.

A ciência ateará sempre a chama da palavra nos lábios humanos, erguendo pedestais à inteligência; mas, sem a caridade de Jesus, que alimenta o corpo e sustenta a vida, debalde se levantarão púlpitos e monumentos. Todos os patrimônios que enriquecem o homem foram acumulados pela graça do Senhor, considerando o progresso em seus alicerces profundos.

A caridade divina é tangível em toda parte. Caridade é o ar que respiramos, a luz que nos aclara os caminhos, o grão que nos supre de forças, o pano que nos envolve, a afeição que nos acalenta, o trabalho que nos aperfeiçoa e a experiência que nos aprimora. O mundo inteiro é uma instituição de amor divino, a que nos acolhemos para amealhar a riqueza do futuro.

A caridade é a coluna central que o mantém. Sem ela, que exprime paciência e humildade, serviço e elevação, a máquina da vida paralisaria em todas as peças.

Sem ela, os santos mofariam no paraíso e os pecadores clamariam, desesperados, no inferno; os fortes não se inclinariam para os fracos, nem os fracos vicejariam ao contato dos fortes; os sábios apodreceriam na estagnação, por ausência de exercício, e os ignorantes gemeriam, condenados indefinidamente às próprias trevas.” E conclui o amigo espiritual: “Recebendo as bênçãos do Céu, através de mil vias, a cada instante da experiência no corpo, o homem que não aprendeu a dar, em auxílio espontâneo aos semelhantes, é louco e infeliz.

Multipliquem-se palácios para a administração e para cultura do cérebro; mas, enquanto a porta do coração não se descerrar ao toque do amor fraterno, a guerra será o vulcão espiritual do mundo, devorando a Paz e a Vida.

Descubram-se preciosos segredos da matéria e entoem-se cânticos de triunfo no seio das nações gloriosas da Terra; mas, enquanto o homem não ouvir o apelo suave da caridade, para fazer-se verdadeiro irmão do próximo, o solo do Planeta permanecerá empestado de vermes e encharcado de sangue dos mártires, que continuarão tombando a serviço da divina virtude em intérmina caudal.’’
Fonte: http://www.boletimsei.org.br/?wpfb_dl=432