O surgimento do Espiritismo em Passo Fundo – Pequeno histórico até os dias de hoje

Back to homepage

Você  encontrará nesta página um breve histórico do surgimento do Espiritismo na cidade de Passo Fundo, bem como da fundação do Centro Espírita de Caridade Dias da Cruz. Quanto à Instituição, são poucos os dados e apenas relatam alguns aspectos das atividades ao longo desses quase oitenta anos, sobre  os trabalhos realizados e sobre seus dirigentes. Os dados históricos, tanto do surgimento do Espiritismo na cidade bem como da fundação do Dias da Cruz foram pesquisados em documentos existentes em arquivos, principalmente em informações do Sr. Francisco Antonino Xavier e Oliveira, publicados no Jornal Orientador, n°109, de abril de 1957. O texto abaixo fez parte também de uma mídia apresentada no dia 22 de dezembro de 2005, por ocasião da solenidade de comemoração dos 70 anos da Instituição. Esperamos poder incluir neste histórico mais dados sobre nossa Casa, bem como sobre a fundação das demais Casas Espíritas da cidade. Se você pertence a uma das Casas Espíritas de Passo Fundo, poderá nos enviar os dados e fotos e poderemos incluir neste histórico.

Antonino Xavier

Antonino Xavier

Primeiro núcleo de Espiritismo em Passo Fundo

Entre 1902 e 1903, cerca de 46 anos após o surgimento do Espiritismo e, por influência do Sr. Augusto César de Castro Bandeira, telegrafista aposentado, do Rio de Janeiro, e que aqui se achava em visita a seu genro, Dr. Custódio Moreira de Souza, médico baiano que clinicava na cidade, foi fundado, em Passo Fundo, o primeiro núcleo de Espiritismo.

Seus integrantes foram o telegrafista Aniceto Gomes Castanho, Francisco Gonçalves da Silva e Francisco Antonino Xavier e Oliveira, (considerado, este último, o pai da história de Passo Fundo) junto com outros trabalhadores.

 

Segundo núcleo

Em 29/06/1905, foi criado o segundo núcleo de Espiritismo, denominado Grupo Espírita Concórdia e Caridade, cuja diretoria era composta por Eduardo Manoel de Araújo, Francisco Antonino Xavier e Oliveira, João de Deus Goulart, João Brandízio de Almeida, Alfredo Pereira da Silva e Carlos Leopoldo Reichmann.

Primeiro Centro Espírita

Herminia Chicuta

Hermínia Chicuta

Somente em 1923 ou 1924 foi fundado o primeiro Centro Espírita de Passo Fundo, então denominado Centro Espírita Amor e Caridade Cristã, localizado na Rua Paissandu, 124, hoje bairro Armando Annes.

Seu idealizador, Gastão Marques, ocupou a função de Diretor dos Trabalhos, Hermínia de Oliveira Chicuta foi Presidente e, como Secretário,  Antonio  da Cruz Rosado. Fato marcante naquela ocasião foi a presença, no dia da inauguração, de mais de 80 pessoas, público considerado elevado para uma época em que o Espiritismo era pouco conhecido.




Segundo Centro Espírita

Sebastião Castilhos

Sebastião Castilhos

O Grupo Espírita Camilo Flammarion, segundo Centro Espírita de Passo Fundo, foi criado entre 1923 e 1924 e teve como diretores os irmãos Agostinho Alves Vianna, Fidêncio Medina, Alípio Nunes, João Azevedo Lopes e Sebastião Castilhos. O grupo funcionava na Rua Moron, esquina com a Capitão Eleutério, tendo mudado o endereço para a Rua Fagundes  dos  Reis, próximo à Praça da República e, por último, para a Rua Paissandu, esquina com a Benjamin Constant. Após aproximadamente dois anos de existência, o Grupo Espírita Camilo Flammarion fundiu-se com o Centro Espírita Amor e Caridade Cristã, adotando, então, esta última denominação.

Adácia Bortolon

Adácia Bortolon

Sua Diretoria ficou assim constituída: Agostinho Vianna, Ordenel Monteiro, Sebastião Castilhos, Trajano e Antonina Morais, Adácia Bortolon. Destaca-se como elemento ativo do Centro o Sr. Manoel Cháo Alonso.

Em 1924 foi criado o quarto Centro Espírita de Passo Fundo, chamado carinhosamente de grupo do Sr. Manoel Peres.

Este grupo tinha como sede a residência do Sr. Iopp, localizada na Vila Luiza e durou cerca de três anos.

Seus integrantes foram Maria Cândida Bastos, Adácia Bortolon, Rosinha Bortolacci, Vicenta Iopp, João Salem, Manoel Peres e outros.



Origens do Centro Espírita de Caridade Dias da Cruz.

Manoel Perez

Manoel Perez

Extinto o Grupo Manoel Peres, foi fundado outro grupo que deu origem ao Centro Espírita de Caridade Dias da Cruz. Os fundadores foram Adácia Bortolon, Elisa Severo, João Salem, Pedro Karkow, Vicenta Iopp e Marica Farias. Sua primeira sede foi na Rua Moron, 921. Posteriormente, houve a aquisição da sede própria do Dias da Cruz, localizada na Rua Saldanha Marinho, 526. Aconteceu pelo empenho da Diretoria, tendo à frente os irmãos Pedro Cogo, Ernesto Formighieri, Alcides Borowski e outros que conseguiram  adquirir a edificação que possuía, até então, somente parede e teto, faltando o assoalho, o forro e as aberturas.

Pedro Cogo

Pedro Cogo

Esta equipe concluiu as obras, trabalhando nos finais de semana. A fundação do Centro Espírita de Caridade Dias da Cruz aconteceu, oficialmente,  no dia 25 de dezembro de 1935, em homenagem a Jesus, tendo como primeiro presidente o Sr. Pedro Cogo, que atuou nesta função até seu desencarne, em 1955. O Centro Espírita foi filiado junto à Federação Espírita do Rio Grande do Sul, em 29 de maio de 1943, conforme certificado de número 109. Em abril de 1948, foi fundado o Jornal Orientador, por iniciativa dos trabalhadores do Dias da Cruz, entre os quais destacam-se Dalva Rozendo, Alady Berleze de Lima, Ernesto Formighieri, Pedro Cogo, Adácia Bortolon e Elisa Severo.

Antonina Xavier

Inicialmente, O Orientador foi dirigido por Alady Berlese de Lima. Teve como redatora Dalva Rosendo e Ernesto Formigheri como Gerente. Em dezembro deste mesmo ano, Antonina Xavier e Oliveira assumiu a direção do Jornal,  permanecendo até 1962. Destes citados acima, Dalva Rosendo, (seu nome hoje Dalva Montano), reside em Porto Alegre e é trabalhadora da Sociedade Espírita Allan Kardec. Antonina Xavier e Oliveira destacou-se no Movimento Espírita da época, trazendo para Passo Fundo, pela primeira vez, o médium e orador espírita Divaldo Pereira Franco. Também distinguiu-se pela sua atuação na divulgação do Espiritismo junto à Imprensa da nossa cidade.

Ernesto Formighieri

Ernesto Formighieri

Na década de 50 já funcionava, na Casa, a Evangelização Infantojuvenil  e o Roupeirinho dos Pequeninos, sendo este último uma atividade de assistência social, responsável pela distribuição de roupas, alimentos e remédios. Seu nome foi, posteriormente, modificado para Roupeirinho da boa vontade. A partir de 1955, com o desencarne de Pedro Cogo, Ernesto Formighieri assumiu a presidência do Centro Espírita e o dirigiu dirigiu por 39 anos. Entre as atividades desenvolvidas, desde a fundação do Dias da Cruz até meados de 1985, merece destaque o tratamento de doentes mentais no chamado Hospitalzinho, que funcionava no andar térreo do Centro. Os irmãos Ernesto e Amélia Formigheri, por longos anos, dedicaram-se ao atendimento dos doentes vindos de várias cidades do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina e Paraná.


Fundação da Escola Manoel Perez

Fundação Escola Manoel Perez

Fundação Escola Manoel Perez

Foi fundada, em 1968, pela Diretoria da Casa, a Escola Municipal Assistencial Manoel Peres,  tendo à frente as irmãs Heloísa Almeida e Ides Viunisky, cujo objetivo era atender menores carentes, instruindo, educando, vestindo, alimentando e dando-lhes formação moral. A administração do irmão Ernesto, como era chamado, foi pautada pela ética, pelo compromisso com a Doutrina Espírita e baseada na caridade moral e material.

João Oli Machado

João Oli Machado


Peri Oliveira Mader

Peri Oliveira Mader

De 1994 a 1996 a Casa foi presidida pelo confrade João Oli Machado.

Neste período foi implementado o Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita – ESDE.

Também nesta época foram planejadas e iniciadas as obras do prédio dos fundos, idealizado para o funcionamento do Sopão, da Evangelização infantojuvenil e do Estudo Sistematizado.

Os trabalhadores Peri e Carlos Alberto Mader destacaram-se pelo empenho na realização desta obra.

Paulo Afonso Eberhardt

Paulo Afonso Eberhardt

Após este período, Paulo Afonso Eberhardt assumiu a direção do Centro Espírita, permanecendo até os dias atuais. Neste período foi construída a nova sede do Centro, com dependências mais amplas, destacando-se um auditório com 270 lugares e um miniauditório com capacidade para 100 pessoas. Foram criados os Setores de Recepção e Atendimento Fraterno, o Programa Mãe Gestante, Evangelho no Lar, Recreação  Orientada, ampliação e automatização da Biblioteca, o Bazar, o Boletim O Orientador  Espírita e, mais recentemente, a Livraria Espírita Antonina Xavier, a maior livraria espírita do sul do Brasil.  Cabe ressaltar neste empreendimento o trabalho de Eliana M. Guarienti, que por três gestões trabalhou na Vice-presidência, por seu incansável labor para obter recursos que viabilizassem tais conquistas.