Aborto

Back to homepage

Por que o Espiritismo aceita que se interrompa a gravidez se essa oferecer risco à vida da genitora?

Não se trata de valor ou não, mas de coerência. Nos casos em que a vida da mãe está em perigo e se tiver que fazer uma escolha é mais racional sacrificar a vida do ser que ainda não nasceu e pode ter outra oportunidade do que a vida daquele que já está em sua experiência  terrena, com responsabilidades assumidas. Em tudo deve prevalecer o bom senso.

Interromper a gestação de anencéfalo é um erro?

A interrupção de uma gestação é uma transgressão à Lei de Deus, em qualquer situação, salvo em casos em que a vida da mãe esteja em risco. No caso de fetos malformados, não se pode avaliar espiritualmente qual a necessidade das pessoas envolvidas em passarem por esta prova. Certamente que tudo tem um fim útil e os mecanismos da vida são ainda muito desconhecidos para nós, Espíritos que habitamos planetas de provas e expiações. Os meios de reajuste do Espírito são determinados pela lei de causa e efeito sendo, portanto, certas situações justas e necessárias ao reequilíbrio do ser, mesmo que nos pareça incompreensível.

O que acontecerá a uma mulher que provocou o aborto?

Como praticou um ato contrário às leis de Deus, ela irá sofrer em sua consciência a dor moral pelo ato praticado. Como qualquer erro grave cometido pelo Espírito, submeter-se-á a expiações necessárias ao seu reajuste diante da vida imortal. O que acontecerá com ela vai depender de suas necessidades evolutivas e da misericórdia do Alto. Tanto quem se submete ao ato como os profissionais que o praticam estão igualmente implicados na infração e não se pode esquecer que a responsabilidade de quem sabe é sempre muito maior, pois, “a quem muito foi dado, muito será pedido”.

O aborto é um crime perante Deus?

Toda ação que contrarie as leis naturais de Deus são consideradas infrações. Neste caso o erro consiste em interromper o reencarne de um Espírito, tirando-lhe, portanto, a oportunidade de crescimento. Segundo o Espírito de Verdade, somente é permitido o aborto em caso em que a vida da mãe esteja em risco. As histórias existentes de que os abortados transformam-se em tenazes obsessores de quem os abortou devem ser observadas com desconfiança, pois não é isso o que nos instrui o Livro dos Espíritos. O exagero com que certos livros e mensagens discorrem sobre o problema, tratando quem pratica o aborto como assassinos, traz graves consequências para essas criaturas que se veem atormentadas com a possibilidade de sofrerem penas cruéis nesta ou em outras vidas. Não há erros irreparáveis. O aborto é falta grave como qualquer uma outra que desrespeite a lei do amor ao seu semelhante. Sua gravidade será diretamente proporcional ao grau de instrução espiritual dos envolvidos e das circunstâncias que cercaram o fato.