Poema Deus

image_pdfimage_print

Quando o sol se derrama nas campinas

Beijando as tenras flores orvalhadas,

Tremeluzem ao longe, nas estradas,

Novas bênçãos formosas, pequeninas,

 

Luzernas de esperanças renovadas

Nos eternos fanais das mãos divinas

Desatam mil belezas peregrinas

Sobre as mansas e calmas madrugadas…

 

Quando a lua desliza de vagar

Descendo sobre os verdes arvoredos,

Ouço o vento cantando seus segredos,

Talvez longas histórias de além- mar…

 

Percebo Deus em tudo o que conheço

Regendo a mais perfeita sinfonia

Da vida entretecida a cada dia

Na certeza de um novo recomeço…

 

Deus me fala no som das águas calmas,

No murmúrio da brisa entrincheirada

Nos perfumes agrestes da galhada.

Deus adentra o recôndito das almas…

 

Ele é o sol dos Espíritos… É a Paz,

É o orvalho bendito refrescando

Silencioso e sereno, sempre amando…

Deus é o Todo em que nada se desfaz.

 

Amigo da Casa (Lucimar)

 

Poema psicografado por Lucimar Laidens – mês 10/2009 – CEC Dias da Cruz – Passo Fundo RS