O Senhor veio

image_pdfimage_print

O Senhor da Terra se fez criança
E no seio cálido de Maria
Aninhou-se a Promessa da Esperança
Tantas vezes cantada em profecia…

Do Infinito desceu co’a lira mansa
Destinada às canções de cada dia,
Repartiu entre nós a sua herança
De paz, esperança e alegria.

Veio sem trono e ocultou seu manto
De sóis tecido em fráguas* siderais…
E sobre os ventos derramou seu canto

Na mais perfeita síntese da Lei:
“Sempre o bem que vós todos desejais,
Aos outros esse mesmo bem fazei.”

*frágua: forja, fornalha
Nova Lira

Soneto psicografado por Lucimar Laidens em dez/2010 – CEC Dias da Cruz – Passo Fundo RS