Presença de Jesus

image_pdfimage_print

Somente um profundo estudo psicológico pode permitir o entendimento real, em torno do significado extraordinário da presença de Jesus, nos diferentes lugares, durante seu messianato. O Ser transcendente que é, exteriorizava-se com uma força inexcedível, penetrando tudo e todos, de forma que, ao senti-LO, de imediato dava-se uma incomum transformação naqueles que O encontravam.
Ninguém que tivesse qualquer tipo de contato com Ele, permanecia como antes. Poderia até mesmo detestá-LO, normalmente amá-LO, jamais, porém, permanecer-lhe, indiferente. Os Espíritos infelizes sentiam-nO a distância e gritavam estentóricos: – Eu sei quem Tu és – conforme explodiu, na sinagoga, por ele visitada, uma entidade perversa que ele silenciou, porque ainda não era chegado o momento de desvelar-se.

Noutro ensejo, ao atravessar um antigo cemitério em Gadara, de uma das sepulturas levantou-se um obsesso e, fazendo-o estertorar, o ser que nele se agitava interrogou: – Jesus de Nazaré, que tens Tu contra nós? Ninguém O conhecia naquelas paragens, nem mesmo sabia que lá se encontrava. Penetrando o ser hediondo, Ele o expulsou da sua vítima com acendrada misericórdia, restituindo ao enfermo o bem-estar e a paz. Nada havia que lhe constituísse obstáculo ao ministério de amor.

Com autoridade, enfrentou a fúria dos ventos e a agitação das ondas do mar da Galiléia, lecionando confiança irrestrita em Deus, em todas e quaisquer situações. Multiplicou os pães e os peixes, utilizando-se dos recursos transcendentais da natureza, ocultos ao conhecimento da época, sem alarde, com naturalidade.

Enfrentou a bazófia e a hipocrisia dos sacerdotes, dos saduceus, dos fariseus e de todos aqueles que O invejavam e O perseguiam, corajosamente, sem descer-lhes aos níveis de miserabilidade humana…

Abraçou a causa dos infelizes e dos excluídos com elevação, sem pieguismo nem receio de qualquer expressão, erguendo a voz para demonstrar que todos são filhos do mesmo Pai, embora as infelizes convenções humanas.

Sempre se manteve ativo, jamais escusando-se ao trabalho e à vivencia do amor, dinamizando o serviço em favor do bem como única e exclusiva técnica para a felicidade. Ímpar conhecedor da psique humana, nunca se utilizou da Sua elevação para criar qualquer tipo de embaraço para os amigos que O buscavam.

Absolutamente consciente da sua missão, aceitou somente o título de Mestre, porque em verdade o é. As criancinhas eram atraídas ao seu regaço com encantamento, enquanto os velhinhos, enfermos e atormentados nEle encontravam, amparo, ternura, renovação, entusiasmo e forças para o prosseguimento da existência. Nunca mais, na Terra, se encontrará alguém que lhe seja equiparado!

A sua presença fez-se mais significativa, no momento em que se levantou no monte, defronte do mar gentil, de águas como um espelho refletindo o céu azul turquesa, entoou o incomparável hino das bem-aventuranças…

A voz, com modulação especial, cantou a sinfonia de bênçãos que modificaria todos os conceitos éticos vigentes, diante da meridiana luz do amor, conclamando à justiça, à misericórdia, à humildade, à compaixão, à verdade…

Os pobres, os esquecidos, os humilhados, os perseguidos, os vencidos, os desrespeitados e todos aqueles que eram considerados como sendo a borra da sociedade hipócrita poderiam respirar com alegria e ser felizes, a partir de então, se se resolvessem por tornar-se herdeiros do reino de Deus, cujas dimensões se encontram no coração.

Não mais se ouviria nada igual nos dias do futuro, como dantes nunca se escutara nada parecido. A Sua majestade esplendorosa, ante a turbamulta, destacava-se emoldurada de luz, esparzindo Sua presença por todo lado, alcançando mesmo aqueles que se encontravam fisicamente mais distantes, no cenário extraordinário da Natureza.

Não foi necessário gritar, gesticular nervosamente, impor silêncio, para fazer-se ouvido. Enquanto os ventos suaves carreavam os doces perfumes da hora crepuscular, Sua voz macia e quente, aveludada e compassiva alcançava todas as mentes e corações, impregnando-os com a Mensagem que ficaria imortalizada nos tempos do futuro. Nunca te afastes de Jesus!

Mesmo que te distancies por capricho, desequilíbrio e aflição, a Sua irradiação estará em torno de ti, envolvendo-te, até que te conscientizes de absorvê-la. Nessa sublime energia encontrarás reforço para as lutas, paz para as tribulações, esperança para os momentos difíceis, amor para repartires com todos, inclusive com aqueles que se te inimizaram e tentam criar embaraços para teu avanço na conquista da luz.

Abre-te, portanto, às Suas lições, empenhando-te por insculpí-las no imo, vinculando-te por definitivo a Ele. Já foste chamado para o Seu ministério, mais de uma vez, e preferiste a loucura do prazer, afastando-te do caminho renovador, sem que Ele jamais se distanciasse de ti.

Agora, encontras-te novamente convidado para o serviço de auto-iluminação. Não postergues a decisão de ser feliz. O tempo urge e, enganado pelas utopias existenciais, quando te deres conta, no crepúsculo do corpo, já não disporás de recursos para a reconquista das horas perdidas…

Pensa em Jesus, sempre que te encontres indeciso ou em sofrimento. Liga-te a Jesus, quando experimentares solidão e abandono, recordando-te que Ele é o amigo daqueles que não têm amigos. Refugia-te em Jesus, toda vez que necessitares de um abrigo, de um regaço para reflexão e prece. Ele é o recanto seguro para todas as circunstancias, especialmente as graves e angustiantes. A presença de Jesus é a Luz do mundo, que o mundo não tem sabido aproveitar, recusando-a em favor da sombra que permanece dominadora.

– Eu estarei convosco até o fim dos tempos… Ele afirmou, e as suas palavras não passam. Recorda os conquistadores de um dia na Terra, de que a morte interrompeu o curso das vitórias mentirosas e que permanecem esquecidos, quando não detestados e vencidos. Observa os dominadores destes dias e pensa que também eles não serão poupados pelas enfermidades, pelos ódios e pela morte que os arrebatará a todos, conduzindo somente o que realizaram e não o que acumularam na alucinação da posse.

A irradiação que deles se exterioriza provoca temor, ressentimento, ódio ou interesses imediatistas e subalternos. Com Jesus é diferente! Ama-O, pois, e deixa-O conduzir- te pelo caminho da liberdade no rumo de Deus.

Reformador. Dezembro de 2007. Ano 125. Número: 2. 145. (Página psicografada pelo médium Divaldo Pereira Franco, ditada pelo Espírito Joanna de Ângelis, na manhã do dia 21 de julho de 2007, na residência do Dr. Epaminondas Corrêa e Silva, em Paramirim, Bahia.)